6.8.12

Vontade de ganhar no grito


Tenho ouvido pessoas reclamando do barulho dos carros-de-som nesta campanha eleitoral. Para muitos estes “elefantes” incomodam. E quanto maior o número deles, incomodam muito mais.  

Aqui em Irará temos dois candidatos a prefeito. E cerca de noventa pleiteantes ao cargo de vereador. Imagine cada um com seu carro de som, todos funcionando ao mesmo tempo, na Praça da Purificação, por exemplo, ao meio-dia ou às 18h, para “pegar os estudantes”? 

Balbúrdia, confusão, babilônia. Pode-se denominar de muitas formas o cenário imaginado acima, cujo perfil não é muito distante do real. 

Oferta x procura 

Por conta disto, tem muita gente demonizando as eleições e os políticos também. Não quero fazer defesa dos candidatos, mas fico a me perguntar se temos de colocar a culpa única e exclusivamente neles. Só há corruptores porque há corrompidos. Obediência à lei da oferta e da procura. 

Então, só há carros-de-som barulhentos, porque existem os eleitores que gostam disto. Querem ouvir a música do seu candidato em alto volume. Desejam escutar o nome deles a toda hora. Anseiam por uma provocação ao adversário. 

E este pessoal, assim como os carros, são barulhentos. Cobram dos candidatos: “Bota carro de som que eles têm mais”; “aumenta o volume, o deles tá mais alto”; “tem de fazer zuada”.  

E o cidadão de forma geral, ainda que não curta o barulho, também vai nessa. Quando vê um candidato fazendo mais “zuada”, com maior volume de campanha, sentenciam: “Fulano vai ganhar, porque só dá ele”. Isto pesa muito em locais cujas pessoas ainda escolhem candidatos com medo de ser jacú, para “não perder o voto”. 

Assim, os políticos, gostem ou não do barulho, querem fazê-lo. Não querem ficar para trás. E cedem aos encantos de quem gosta do barulho, porque estes gritam e, por isso mesmo, parecem ser maioria. E, por aqui, são eles que mandam, pois, a democracia costuma ser interpretada como a “ditadura da maioria”.

Quando anseiam desesperadamente agradar a suposta maioria, os políticos e governantes perdem o bom senso. Quando este lhes falta, só mesmo a Lei para regular a situação. 

Durante um bom tempo, a crença foi de que as pessoas só iam a comícios se tivessem apresentações de bandas musicais. A Lei provou o contrário. Acabaram os showmícios e os comícios não foram esvaziados.

Carro-de-som e rádio-poste são formas válidas de comunicar. Mas, elas não dão liberdade ao ouvinte. Você não pode desligar na hora que lhe dê vontade. 

Cultura 

Um artigo do jornalista Nirlando Beirão, publicado em 2001 na Revista República (Ed.nº 53), mostra que a gritaria é um traço cultural do brasileiro. Neste país, nascido de “um heroico brado – e, como se não bastasse retumbante”, sinaliza o jornalista, “é impossível exprimir satisfação sem estrépito”.

Beirão também afirma que “o estardalhaço é o melhor disfarce para a falta de conteúdo” e que o “urro” do brasileiro “não é de revolta é de conformismo. Quem grita consente”. Para o jornalista “o baticum dos tambores é a metáfora de uma sociedade deficiente de sentidos”. E finaliza: “Até a capacidade de ouvir João Gilberto nós perdemos para os gringos”. 

Isto vale para os brasileiros e vale para os iraraenses, parte do todo chamado Brasil. O que vale para os carros de som, vale para os particulares, muitas vezes equipados com som mais potentes do que os profissionais. 

Há a hora de fazer barulho, mas também há o momento de respeitar o silêncio. Saber onde começa o seu direito e termina o do outro. É preciso saber distinguir tempos e locais. Enquanto falta distinção e respeito permanece a vontade de ganhar no grito. São problemas a serem resolvidos com cultura. Já falei. 

2 comentários:

jonas pinheiro disse...

Mais uma faceta das torcidas que querem ver o hino de seus times (candidatos) esbravejados como num estadio de futebol...O problema é que estamos falando de um municipio e seu futuro, não de um jogo (ou seria um jogo? no final tudo acaba se resumindo a isso não é mesmo).

Daniela disse...

“Fulano vai ganhar, porque só dá ele”. Isso é um absurdo! É inadimiscível que alguém possa pensar desse modo.
Além disso, o "voto de cabresto" do tempo da República Velha ainda está presente nas eleições...